domingo, 1 de maio de 2011

Soneto do Paradoxo Comportamental

Antes eu não gostava de quem eu era.
Agora sinto saudades.
Vai passar.
Ou não.

Não sinto saudades de mim,
sinto daquela sensação de
que nunca terei nada e
de que tudo vai dar errado.

Era mais próxima da realidade,
do futuro e do passado
mais próxima de mim.

Mas não era verdadeira
as coisas não são desse jeito,
porque nada é tão simples assim.